segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Amor infinito

Será que meu amor vai ser infinito ?
Pensava nisso, sentada em minha cama espiando pela janela o brilhar da lua. Quando de repente me assusto com uma pedra sendo jogada em minha janela.
Então me levantei e abri a janela, olhei por todos os cantos e só via a escuridão, mais então sinto um ar quente em meu pescoço que logo se arrepiava inteiro. E logo sorri ao ouvir:
_ Assustou ?
Respondi:
_ Não .
E me virei sem medo. Era ele me olhando com aquele sorriso de lado.
_ Você sabe que não pode estar aqui nessa hora!
No nosso século, é proibido rapazes como Davi, visitar moças como eu naquele horário.
_ Mais esqueceu, que somos um casal que desrespeita todas as regras ?
Ele me dizia, como não estar nem ligando. Mais por um instante interrompendo nossas risadas, ele parou e tirou um bilhete de sua roupa e disse me entregando:
_ Te esperarei!
Me deu um beijo e partiu sorrindo e mandando vários beijos pelo ar .
Corri para a cama e abri o bilhete que nele dizia:

Amada Joana
Me espere no mesmo lugar e no mesmo horário.
Te amo eternamente.
Davi
Na manhã seguinte, pulei da cama e peguei meu vestido verde, prendi meus cabelos e sai.
Chegando no local, aonde eu e Davi nos encontrávamos, pois eu estava prometida para um outro rapaz e meu casamento já estava chegando, era estranho eu estar me encontrando com outro rapaz, mais era ele que eu amava.
Percebi que Davi não tinha chegado, então sentei perto de uma janela e logo avistei seu cavalo a caminho. Ele desceu do cavalo e caminhou até mim, se sentou e me deu as mãos dizendo:
_Que bom que veio !
_ E porque não viria ?
_ Joana..
Eu interrompi:
_ Não acredito, vamos fugir? Deu tudo certo? vamos fugir juntos? é isso?
Ele colocou sua mão em minha boca e disse:
_ Não, não vamos fugir.
Ele voltou suas mãos em cima das minhas e senti que ele estava aflito e gelado.
_ Preciso te dizer uma coisa!
_ O que ?
Soltou minhas mãos, olhou ao redor e eu vi seus olhos encherem de água.
_Davi, o que esta acontecendo?
_ Joana, vou ter que ir para a guerra!
_ Guerra? Você me prometeu que não iria!
_ Mais tenho que ir! Desculpa.
Ele me deu as mãos novamente, mais agora apertava elas com força. Aproximou mais e disse olhando diretamente em meus olhos:
_ Eu te amo mais que eu mesmo e amarei eternamente. Adeus Joana.
Me deu um beijo, se virou e saiu.
_ Pare, você vai voltar? não vai?
_ Eu não sei!
Com sua última frase, saiu sem olhar para trás.
Passei alguns dias sem comer e nem beber, eu apenas chorava e escondia minhas lágrimas para os criados e nem meus pais perceberem, ele mandava cartas e eu as respondia.
Passou alguns outros dias e meu casamento com Manuel chegará.
Quando estava colocando aquele vestido branco e longo, a criada chegará com uma carta, não era de Davi e sim de um amigo dele.
Me sentei e comecei a ler, mais apenas uma simples frase me despertou:
Sinto lhe dizer, mais meu amigo Davi me pediu para lhe dizer se isso um dia acontecesse, infelizmente esse cargo não esta sendo fácil para mim, mais o Davi esta morto.
Meu coração apertou e comecei a chorar, pessoas vieram até mim e começaram a me acalmar, me senti tonta, não queria ninguém perto de mim, desmaiei .
Não houve casamento, fiquei dias trancada no meu quarto, ia a janela toda noite esperar Davi e esperarei ele até quando meu coração parar de bater.
Descobri: Meu amor sempre será infinito.

3 comentários:

Albert R. disse...

Muito lindo, *-*
Continue assim, tem muito potencial. Beijo :*

Tálidα Cunhα disse...

Você tem o dom! amei o conto *-*

Maria Vitória disse...

muito obrigada , fiquei muito feliz em saber que gostaram dos meus contos , eu agradeço muito *-*

Postar um comentário